GARANTIDO ALIMENTO PARA AS COLMEIAS SOBREVIVENTES AOS INCÊNDIOS

Na sequência dos incêndios ocorridos em 2017, a FNAP e as organizações de apicultores suas filiadas, têm vindo alertar para a necessidade de apoiar as explorações apícolas da zona afetada, cujo futuro se encontra ameaçado devido às perdas de efetivo e à escassez de pastagem que se fará sentir até ao início da Primavera seguinte.
 
Consequência do acompanhamento desta situação pelo Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Florestas, foi assegurado o fornecimento de 100 toneladas de açúcar para alimentar as colmeias localizadas nas áreas ardidas e cuja sobrevivência se encontra ameaçada. Esta medida de apoio foi anunciada na passada terça-feira pelo Secretário de Estado do Desenvolvimento Rural e das Floretas, Eng. Miguel Freitas, na Sessão de Abertura do X Encontro de Apicultura do Algarve, e confirmada pelo Sr. Ministro da Agricultura, Dr. Luis Capoulas Santos em entrevista dada na quinta-feira, onde também realçou a importância da apicultura enquanto atividade económica fulcral para o desenvolvimento das zonas rurais, mas também como atividade potenciadora da regeneração natural da flora e dos habitats das áreas afetadas pelos incêndios.
 
O exaustivo levantamento feito pelas organizações de apicultores locais permitiu identificar 2.245 explorações cujo futuro se encontra ameaçado total ou parcialmente, no que totaliza um efetivo de 110.615 colmeias.
 
A partir de dia 15 de novembro, podem estes apicultores contactar com a organização de apicultores local, de forma a receber este apoio essencial para a sobrevivência da sua exploração, bem como para o futuro do sector apícola nacional.
 
Lisboa 10 de novembro de 2017,
A Direção da FNAP

Incêndios Florestais – Declaração de Prejuízos / Outubro 2017

Sr. Apicultor,

Para efeitos de candidatura ao apoio à reconstituição ou reposição do potencial produtivo das explorações apícolas danificadas em enquadramento no PDR2020  – “Operação 6.2.2 – Restabelecimento do Potencial Produtivo” é necessária a submissão do Formulário de Declaração de Prejuízos​, disponibilizado nos seguintes links, pelas DRAP do Norte, Centro e Lisboa e Vale do Tejo:

 

Mais se informa que “as despesas são elegíveis após a apresentação da candidatura e estão sujeitas à verificação e validação no local, pelas Direções Regionais de Agricultura e Pescas territorialmente competentes, dos prejuízos declarados pelos beneficiários.”

 

A Declaração de Prejuízos é portanto obrigatória para a submissão posterior de candidaturas à Medida 6.2.2. Restabelecimento do Potencial Produtivo do PDR2020, que o poderá auxiliar na recuperação e capacitação da sua exploração, nos meios necessários à continuidade da atividade.

 

Aproveitamos para informar todos os apicultores que devem dirigir-se à organização que os representa no sentido de reportarem todos os prejuízos provocados pelos incêndios florestais, bem como devem atualizar a Declaração de Existências, sendo que nestes casos deve ser explicitado o motivo da declaração de alterações como “morte por incêndio”.